Bem Vindo ao BLOG Younger

O BLOG DA YOUNGER, é o mais novo canal de intercâmbio de informações do estudante. Acompanhe as notícias atualizadas do que acontece no mundo do intercâmbio e amplie seu conhecimento sobre seu país de interesse.

Calendário

março 2011
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Blog - Arquivo de março de 2011

Bandeira Australiana

quinta-feira, 31 de março de 2011 - 20:03
postado por Younger Intercâmbio



A bandeira Australiana, nas cores azul, vermelha e branca, possui uma grande estrela com sete pontas simbolizando a federação de Estados e Territórios, um conjunto de cinco estrelas, conhecido como Cruzeiro do Sul e que representa a posição demográfica da Austrália no Hemisfério Sul, e uma pequena bandeira da Grã-Bretanha.Foi concedida após um concurso com mais de 32 mil participantes. No entanto, as cores nacionais da Austrália são o verde e o dourado (amarelo ouro), coincidentemente, as cores que representam o Brasil no resto do mundo.

Fonte: Guia Austrália

Conhecendo Vancouver

quarta-feira, 30 de março de 2011 - 18:03
postado por Younger Intercâmbio

Vancouver é a maior cidade do lado oeste canadense e concentra uma miscigenação incrível de povos, raças, culturas e línguas. Com atrações interessantes e cenário encantador, é destino certo para quem gosta de todo tipo de atividade: cultural, esportes, para negócios, imigração ou ecologia, por exemplo. A cidade é cheia de museus e galerias de artes, além de bons restaurantes e muita opção de lazer. Sua população é de 538.000 habitantes, mas ultrapassa os 2.1 milhões se juntarmos com os arredores. Apesar de grande, quem chega a Vancouver não se sente numa metrópole, pois a cidade é espalhada e o trânsito flui bem, além de muito bem organizada.

Situada na Província de Columbia Britânica, é tida como um dos melhores lugares do Canadá para se viver. A natureza é exuberante em toda a Província e a cidade soube incorporar e preservar o cenário natural. Rodeada de montanhas e parques, oferece muito espaço para os que gostam de curtir as atividades ao ar livre como esqui, raquete na neve e snowboarding entre outras no inverno. No verão as pessoas preferem a bicicleta, fazer trilhas, andar de patins ou simplesmente curtir o sol no parque, ler um bom livro ou admirar a beleza da cidade. As praias de Vancouver também são muito populares e recebem um bom número de interessados no verão.

Downtown:

Conhecer e explorar o centro da cidade é uma obrigação por parte do visitante. Por muitas vezes o turista poderá se sentir em Begin, China tão grande é a comunidade asiática. Certamente o centro de Vancouver pode ser explorado a pé, mas é também aconselhável a utilização do transporte público. Pegue o SkyTrain que é o mais longo e rápido sistema de transporte automatizado e opera em três direções. Dependendo do tempo da visita escolha a bicicleta para um passeio mais detalhado e sinta a vibração do centro. A bicicleta ainda pode te levar ao parque Stanley, que é um dos mais populares do Canadá.

Visita Obrigatória:

Vancouver Art Gallery – situada na 750 Hornby St., esta galeria de arte de 4 andares oferece várias exposições, pinturas, vídeos e, claro, peças de artes. Preço por pessoa: $19.50 (dólar canadense).

Capilano Suspension Bridge – aberto em 1889, é um programa para quem gosta de atividades radicais e ligadas a natureza. $28 por pessoa. Para mais informação entre no site: www.capbridge.com

Vancouver Aquarium – grande seleção de anfíbios, répteis e mamíferos marinhos. O parque oferece encontros próximos a golfinhos, tartarugas, lontras, leões marinhos e belugas. Os encontros são pagos a parte e a entrada custa $21 por pessoa. www.visitvanaqua.org

Grouse Mountain – esqui no inverno e trilhas no verão são as atrações deste lugar espetacular. Prepare a câmera para fotos no topo da montanha. Diversão e muita adrenalina são garantidas. www.grousemountain.com

Clima:

Vancouver é tida como uma cidade de clima oceânico. O verão, que vai de Julho à Setembro, é quente e seco. O inverno é moderado se compararmos a grande maioria das cidades do Canadá. Janeiro é o mês mais frio e a média fica na cada dos 2.5°C. O fato de a temperatura ficar quase sempre acima do zero faz com que a cidade tenha pouca neve durante o inverno. Em compensação, a chuva é praticamente constante e é motivo de irritação para a grande maioria dos moradores. Para se ter uma idéia Dezembro e Janeiro recebem mais de 200mm de chuva. Os brasileiros que moram em Vancouver a chamam de “Vanchuver”. Em inglês o nome acabou ficando “Raincouver”.

Balada:

Não só de natureza e chuva vive Vancouver. A noite é bastante viva e agitada dando aos habitantes e turistas muitas opções. Boates, casa de shows e restaurantes sofisticados fazem parte do roteiro. Um lugar muito popular e visitado é o Granville Entertainment District, no centro da cidade, onde se concentram vários bares e pubs. The Roxy e The Commodore operam como boates e também contam com música ao vivo. Umas das melhores opções para quem gosta de acompanhar esporte (Hockey principalmente) em grandes telas é o The Lamplighter que também tem uma boa variedade de bebidas e cockteis. Como não poderia deixar de ser, a noite de Vancouver também oferece bons programas e lugares para gays e lésbicas, como o Celebrities (1022 Davie St.) ou o Lick Club (455 Abbott St., no centro da cidade). Para quem gosta de sofisticação e um prato refinado o Pourhouse é um a ótima opção e fica na 162 Water St., em Gastown.

Custo de vida:

Vancouver teve um impressionante crescimento na última década devido, entre outros fatores, a economia e imigração. Considerada sempre entre uma das melhores cidades do mundo para se viver (quarta posição em 2010), possui um elevadíssimo custo de vida. Em 2007, segundo a Forbes, obteve o sexto lugar de maior crescimento no setor imobiliário em relação a preço. Foi, àquele ano, o segundo maior da América do Norte, depois de Los Angeles (EUA). Juntamente com Toronto, Vancouver foi citada como a cidade mais cara do Canadá.

Programas gratuitos:

Stanley Park – 400 acres de muito verde e uma boa estrutura para picnic, o parque é muito popular com média de 8 milhões de visitas por ano. O parque conta com teatro de música, lagos e vários pontos de observação.

Canada Place – situado no norte da cidade, o Canada Place reúne trilhas e um curto caminho que expõe artes que representam as mais importantes cidades do país, além das Províncias e Territórios. É também um bom lugar para ver o porto e seus navios, além de uma privilegiada vista da cidade.

Kitsliano Beach – também conhecida de Kits Beach, esta praia é agitada e muito popular. É um bom lugar para curtir um dia ensolarado, nadar e jogar vôlei de praia.

Aos que vão de visita levem uma capa de chuva no inverno. Roupas leves para verão. Mas independente da época do ano a máquina fotográfica é a única coisa que realmente não se pode esquecer.

 

E você que mora em Vancouver, qual o lugar que mais gosta e indicaria ao turista?

Fonte: Sair do Brasil

Quer conhecer mais sobre a história da Argentina?

terça-feira, 29 de março de 2011 - 19:03
postado por Younger Intercâmbio

Então vá assistir ao espetáculo “Evita”.

Estadão.com.br

O musical Evita, que estreia em São Paulo neste sábado, 26, começa contando o final da história do mito argentino. A primeira cena do espetáculo é ambientada em 26 de julho de 1952. Uma notícia bombástica interrompe uma sessão de cinema: Eva Perón está morta, aos 33 anos. Há comoção popular.

A partir daí o personagem de Che Guevara narra, por meio de flashbacks, a trajetória de Evita, desde a sua infância na cidade de Junín, até a campanha de reeleição do marido, Juan Péron, para presidência da Argentina, última da qual participou, antes de sua morte, causada por um câncer.

Evita, de autoria da dupla Tim Rice (letras) e Andrew Lloyd Webber (música), teve montagem totalmente criada e realizada no Brasil, integralmente cantada em português, com versão de Cláudio Botelho.

No papel principal, está a atriz Claudia Capovilla, que participou de musicais como Mamma Mia! (2010), Fantasma da Ópera (2008), Grease (2003), Les Misérables (2001) entre outros. O ator Daniel Boaventura, rosto conhecido na televisão e no cinema, interpreta Juan Perón. E Fred Silveira encarna Che Guevara. Além dos três principais, o elenco conta ainda com 45 atores e cantores.

Completam o time da produção dirigida por Jorge Takla, orquestra com 20 músicos, 350 figurinos de Fábio Namatame – parte deles inspirado nos trajes que Evita comprava na Maison Dior em Paris – coreografias de Tânia Nardini, cenários de Jorge Takla e Paulo Corrêa, iluminação de Ney Bonfante e regência e direção musical de Vânia Pajares.

Segundo Jorge Takla, a montagem é “uma leitura simplesmente humana, levando em conta que todos os seres humanos têm um lado de luz e outro de sombra – e como numa vela acesa, quanto maior a chama, maior a sombra”. Ele aponta as similaridades entre os personagens de Evita e do narrador, baseado em outro mito argentino, Che Guevara: “Evita e Che são, no fundo, muito parecidos. Ambos morreram muito jovens levando junto os sonhos e as esperanças de populações oprimidas e sofridas, tornando-se verdadeiros mitos, cada um a sua maneira, santificados e polêmicos.”

EVITA no TEATRO ALFA – SERVIÇO

local: Teatro Alfa (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722

tel. 5693.4000 e 0300 7893377 www.teatroalfa.com.br)

estréia: 26 de março, sábado, 21h. Em cartaz até 29 de maio

26 de março: Earth Hour

quinta-feira, 24 de março de 2011 - 17:03
postado por Younger Intercâmbio

At 8.30pm on Saturday 26 March, one billion people will have their lights punched out.

This large-scale lights-out is Earth Hour, a Sydney initiative started in 2007 and today, a global phenomenon involving 4,000 cities. “We had this idea that turning the lights off would cause people to turn on their minds to issues of sustainability and climate change,” says Earth Hour’s creator Greg Bourne, CEO of WWF Australia.

Ten years since Sydney’s millennial fireworks sparked the idea, Bourne’s baby does much more than that – for many more people. “Global connectivity is really key in our thinking. If the lights going out in Sydney can be replicated around the world, catalysing important discussions and involving children, Earth Hour will make a difference.”

Here are Time Out’s tips on how to get involved…

Around Town

Earth Hour is now the world’s biggest environmental campaign, with the Sydney Opera House, Golden Gate Bridge in San Francisco, Times Square in New York and Rome’s Colosseum all extinguishing their lights in support. “Switching off your lights is a great first step, but your true environmental impact is much bigger than just your energy bill,” says Bourne. “We want to make Earth Hour every hour.”

Green

“Each individual’s environmental impact – or environmental footprint – is made up of things such as the food you eat, the transport and housing you choose, and the goods and services you buy,” says Bourne. “This year we’re encouraging people to use our footprint calculator to see just how sustainable their lifestyle is.”

Restaurants

Billy Kwong in Sydney is a carbon neutral restaurant and Cento in Melbourne sources all its food within 100km. Bourne recommends home chefs buy in-season produce that doesn’t need to be transported around the world “or take a leaf out of your grandmother’s book and use a hot post-roast oven to warm a dessert.”

Time In

“Doing small things around the house can make a big difference. Change to rechargeable batteries, or recycle normal batteries for the zinc. Turn things off rather than on standby.”

Travel

“Double the efficiency of your car,” says Bourne. “Put another person in it!”

Ideas Festival 2011

quarta-feira, 23 de março de 2011 - 17:03
postado por Younger Intercâmbio

Se você estiver na Austrália, e tem uma idéia muito boa, não deixe de participar!

Not just for nerds, the 2011 Ideas Festival is a conversation starter. Have a chat with a few hundred of your neighbours and be inspired by our guests as we dissect ideas old and new. As the 2011 Ideas Festival invites you to delve a little deeper into the themes of food futures, sustainability and happiness, things are bound to get a little bit deep and meaningful.

Originally an initiative of the Brisbane City Council and the Queensland Government, the Ideas Festival began in Queensland in 2001. The Festival was conceived to:

■Engage leading thinkers and practitioners in the exchange of ideas;

■Investigate key issues for the future of Australian society and particularly for the people of Brisbane and Queensland;

■Contribute to ongoing informed, vigorous and inclusive debate;

■To promote and present Brisbane and Queensland as stimulating and supporting ideas and innovation.

Subsequent festivals have been held in 2003, 2006 and 2009, with venues changing from the Brisbane Powerhouse in New Farm to most recently, the Cultural Centre at South Bank.

In 2009, the Ideas Festival was delivered by Arts Queensland as part of the Q150 celebrations and the Year of Creativity, with major sponsor Griffith University and featured a dedicated schools program for the first time.

The 2011 event will continue to develop the Ideas Festival audience. In partnership with the State Library of Queensland, the Festival will include a dedicated primary and secondary schools program, a Fringe Festival and three intensive residencies with government departments. Regional programming will also be strengthened, with public libraries in Rockhampton and Cloncurry hosting Festival projects and sessions.

http://ideasfestival.com.au/