Bem Vindo ao BLOG Younger

O BLOG DA YOUNGER, é o mais novo canal de intercâmbio de informações do estudante. Acompanhe as notícias atualizadas do que acontece no mundo do intercâmbio e amplie seu conhecimento sobre seu país de interesse.

Calendário

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« dez    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Blog - Arquivo da categoria Cultura

Oscar 2011: Melhor curta metragem Australiano – “The Lost Thing”

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011 - 02:02
postado por Younger Intercâmbio

“The Lost Thing“, é uma co-produção Australiana e Inglesa, com uma animação prodigiosa e uma estória que mais não é do que uma metáfora à sociedade actual, desprovida de sentimentos, emoções e atenção ao que de importante se passa à nossa volta.

Um rapaz encontra uma estranha criatura numa praia e decide encontrar-lhe um lar, num mundo em que toda a gente acredita que há coisas mais importantes em que concentrar a sua atenção.

Realizado por Andrew Ruhemann e Shaun Tan (também criador da estória e do argumento) e com locução de Tim Minchin, “The Lost Thing” surpreende logo de inicio pela originalidade da sua animação computorizada, numa atmosfera retro e onírica. Com uma estória muito simples, mas não simplista, é um filme que agradará a todos os públicos, mas que só os adultos poderão desfrutar na sua totalidade. As alusões à frieza da sociedade não são subtis, sendo mesmo o cerne do filme, mas são mantidos como sub-texto até ao final.

Fonte: PaperBlog

O Discurso do Rei: um australiano e o Rei George VI

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011 - 19:02
postado por Younger Intercâmbio

O DISCURSO DO REI (The King’s Speech). Inglaterra, 2010. Direção: Tom Hooper. Com Colin Firth, Geoffrey Rush, Helena Bonham Carter, Guy Pearce, Derek Jacobi. 120 min.

A gagueira é um problema que afeta um grande número de pessoas em todos os cantos do globo. E em todas as épocas. Quem não se lembra da história de Demóstenes, fazendo exercícios, falando com pedras na boca? Pode ser algo passageiro, restrito a algum período da vida, como a infância. Mas pode permanecer incomodando por uma vida inteira, se tratamentos não conseguirem resolver o problema.

Distúrbios da fala certamente prejudicam o desempenho das pessoas, em todas as profissões, mais especialmente naquelas em que o contato com o público é essencial. E quando a pessoa dispõe de um poder que, para ser exercido, depende da fala?

Foi o caso de Albert, ou Bertie, como era chamado, o duque de York, que acabaria sendo coroado rei George VI, com a abdicação do irmão mais velho, Eduardo VIII. O rei George VI era casado com Elizabeth, a futura rainha-mãe, e pai da atual detentora do trono britânico: a rainha Elizabeth.

Sabemos que o poder real, no Reino Unido, é, na verdade, um poder de representação e de união dos países que compõem a coroa britânica. O poder de decisão, de fato, cabe aos políticos, eleitos pelo regime parlamentarista. Isso só acentua a importância dos discursos reais, já que é, principalmente por intermédio deles, que se realiza o poder de representação do Estado.

O desafio maior do rei George VI foi enfrentar este problema na comunicação, que se tornaria ainda mais dramático com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, em 1939. Ele reinou de 1936 a 1952, um período muito conturbado para a Europa e para todo o mundo. O rádio era uma novidade importante, abrindo novos caminhos para a comunicação de massa. Se Churchill foi a figura maior da Inglaterra, nessa época, o rei também jogava um papel importante.

O filme “O discurso do rei” trata da relação de Bertie, o rei George VI (Colin Firth) com seu terapeuta da fala, o plebeu australiano Lionel Logue (Geoffrey Rush) e da luta do rei para vencer seus problemas com a gagueira, que travava especialmente nos sons “k” e “q”. Imagine isso para quem tem de pronunciar as palavras “king” e “queen”, frequentemente?

Lionel Logue se destacou no papel de terapeuta da fala pelos resultados que foi conseguindo com métodos pouco comuns na época. Juntou sua experiência de ator e contador de histórias com atendimento a soldados que sobreviveram à Primeira Guerra Mundial, com muitos distúrbios desse tipo, para desenvolver um método de tratamento mecânico dos problemas da fala que, no entanto, não podia ignorar os componentes emocionais aí envolvidos: medo, ansiedade e insegurança.

Como pode se estabelecer uma relação terapeuta-paciente entre um plebeu australiano e o próprio rei da Inglaterra? A resposta a isso é o grande achado desse filme. É dessa relação improvável que resulta o êxito do rei em discursos decisivos, num período determinante para os destinos da humanidade, como foi a Segunda Guerra Mundial.

Tal tratamento da gagueira, além de exigir amplo esforço e determinação do rei, também exigia uma relação horizontal entre terapeuta e paciente, sem títulos, mesuras ou protocolos e sem a pompa e circunstância dos castelos da monarquia britânica. Mais ainda: sem poder evitar o constrangimento de entrar no terreno perigoso das relações familiares da realeza e dos medos e hesitações do soberano. Sem adentrar no campo emocional, não há terapia que funcione. O que é especialmente delicado, no caso dos personagens em questão.

O papel da rainha Elizabeth (Helena Bonham Carter) como apoiadora discreta, torcedora e incentivadora teve destacada importância nessa história toda. É desses relacionamentos e de sua consequência para a coletividade, que se alimenta “O discurso do rei”, um tema relevante e que extrapola os fatos que retrata, permitindo inúmeras reflexões que podem remeter a muitos outros lugares e épocas.

É um filme simples e, talvez por isso mesmo, tão eficiente e envolvente. É difícil não se mobilizar com a angústia do rei. Colin Firth se encarrega de nos comunicar tudo o que o personagem sente, com um desempenho notável. Geoffrey Rush faz um Lionel Logue forte, abusado e profissional, com uma firmeza que nos faz crer que sua presença era mesmo indispensável ao lado do rei. E Helena Bonham Carter, outra grande atuação no filme, consegue transmitir a força e ao mesmo tempo a discrição que o papel exige.

O filme tem 12 indicações ao Oscar. Não lhe faltam méritos para isso. Pode ser uma boa aposta para melhor filme. Mas aí é com a Academia de Hollywood.